Início dos atalhos. Fim dos atalhos.
Início do topo.
Fim do topo.
 
Inovação, colaboração e sustentabilidade destacam projetos vencedores

Inovação, colaboração e sustentabilidade destacam projetos vencedores

Tamara Castro
20/11/2020
Compartilhar:

Equipes de Cascavel (CE), Ipojuca (PE), Currais Novos (RN) e Recife (PE) são vencedoras na 7a edição do Respostas para o Amanhã. Apoio à agricultura familiar, combate à fome, controle da poluição, reflorestamento e tratamento de água foram alguns dos objetivos focados nas propostas selecionadas pela Comissão Avaliadora e eleitas pelo Júri Popular.

Os três vencedores eleitos pelo público foram: BAP: Biocompósito para Adsorção de Poluentes; Análise do efeito de plantas medicinais para a produção de Biorepelente em difusor elétrico e larvicida orgânico no combate a mosquitos hematófagos; e Telha Térmica à base de materiais recicláveis: uma alternativa às moradias do sertão de Currais Novos.

Já os três projetos selecionados pela Comissão Avaliadora foram:  Vespertílio 01, o robô semeador para a agricultura familiar (1o lugar); CapSeed: Revestimento de Sementes com Goma Sustentável (2o lugar); e Materiais a base de grafeno sintetizados eletroquimicamente para remoção de corantes têxteis usados no polo de confecção do Agreste Pernambucano (3o lugar).

A menção honrosa foi para o projeto Reflorestamento utilizando minifoguetes: Pitanga e Ipês.

O anúncio dos vencedores aconteceu ontem, 19/11, durante a cerimônia de premiação on-line nos canais da Samsung Brasil e do Prêmio Respostas para o Amanhã no YouTube.  Os nomes dos projetos vencedores e da menção honrosa estão em nossa página inicial

O evento, apresentado pelo youtuber Felipe Castanhari, contou com a participação de estudantes e professores das 10 equipes finalistas.

Assista à cerimônia de premiação:


 Prêmios

Cada estudante das equipes vencedoras nacionais receberá os seguintes prêmios conforme classificação:

  • 1º lugar: smartphone Samsung;
  • 2º lugar: tablet Samsung;
  • 3º lugar: Smartwatch Active.

Cada escola desses projetos será contemplada com uma Smart TV Samsung. 

Já as escolas dos três projetos eleitos pelo Júri Popular receberão o Troféu “Projeto Vencedor pelo Júri Popular” e cada estudante ganhará um fone de ouvido Samsung BUD+. 


 Pesquisa e colaboração em busca de soluções a problemas reais

A seleção dos três vencedores nacionais e dos três eleitos pelo Júri Popular ocorreu por meio de um processo de avaliação técnica e votação popular via internet que se desenrolou de 12 a 18/11. Tanto os projetos selecionados pela Comissão Avaliadora, formada por especialistas em educação e nas áreas das Ciências da Natureza, Matemática e abordagem em STEM, assim como os eleitos pelo público, revelam intenso trabalho de reflexão, estudo e investigação dos estudantes, orientados por seus professores, em busca de respostas criativas, sustentáveis e viáveis a problemas reais de suas comunidades e de todo o país. 

O projeto Vespertílio 01, o robô semeador para a agricultura familiar, primeiro lugar segundo a Comissão Avaliadora, foi desenvolvido pela equipe do 1º ano de curso de turismo da Escola Estadual de Educação Profissional Edson Queiroz, no município cearense de Cascavel, sob a orientação da professora Thayane Rabelo Braga Farias. Com o objetivo de contribuir para a melhoria das condições de vida dos agricultores familiares, a equipe desenvolveu um robô movido à energia solar capaz de auxiliar no plantio de sementes.

O segundo lugar entre os vencedores nacionais foi o projeto CapSeed: Revestimento de Sementes com Goma Sustentável. A ideia foi desenvolvida pela equipe do 3º ano A da Escola de Ensino Médio Ronaldo Caminha Barbosa, também de Cascavel, orientada pela professora Jôseline Maria Sousa Nascimento, com a parceria do professor Sérgio Furtado Néo. Com o objetivo de reduzir a perda de sementes para plantio durante o  armazenamento, os estudantes se dedicaram a sintetizar um revestimento sustentável feito com resíduos de coco e resina de cajueiro e para prolongar a vida útil das sementes.

Em terceiro lugar, ficou o projeto Materiais a base de grafeno sintetizados eletroquimicamente para remoção de corantes têxteis usados no polo de confecção do Agreste Pernambucano. A proposta foi desenvolvida pela turma 20201.C61RC.3M do curso técnico em Química Integrado do Instituto Federal de Pernambuco - Campus Recife. 

A equipe, orientada pelo professor Romero Assis, se dedicou a investigar materiais a base de grafeno e seu potencial na adsorção de componentes químicos. O objetivo é combater a poluição dos rios causadas pela indústria têxtil da região.

Isabel Costa (foto ao lado), Gerente de Cidadania Corporativa da Samsung Brasil, celebra os resultados:

“O Prêmio Respostas para o Amanhã tem como objetivo estimular os jovens a desenvolverem criatividade para soluções de desafios da vida real, aprimorando habilidades para uma transformação social positiva. O projeto desenvolvido pelos estudantes em Cascavel cumpre o objetivo do programa em atender a importante demanda local. É mais um resultado inspirador e que nos orgulha ao longo de uma década de atuação da Samsung com Responsabilidade Social no Brasil, guiados pela visão global ‘Together for Tomorrow! Enabling People’ para capacitar as futuras gerações a alcançarem seu pleno potencial por meio da Educação.”

No olhar de Anna Helena Altenfelder (foto abaixo), Presidente do Conselho e Diretora Executiva interina do CENPEC Educação:

“A qualidade do projeto que desenvolveu o robô semeador reflete, por um lado, o compromisso dos educadores com a educação pública e, por outro, o compromisso dos jovens estudantes com seu próprio aprendizado e com a criação de um futuro mais inovador e sustentável. Em um momento de distanciamento social necessário, a equipe da Escola Estadual de Educação Profissional Edson Queiroz encontrou caminhos para manter o trabalho coletivo, a investigação e a experimentação científicas como parte do processo educativo. Essa experiência precisa ser conhecida e reconhecida em todo o Brasil.”


 Protagonismo e capacidade de comunicação

Essas foram algumas das diversas habilidades apresentadas pelas equipes neste percurso rico em aprendizagens e experiências. Confira o que diz a professora Mariana Lorenzin (foto abaixo), especialista em STEM e mentora geral das equipes, que também integrou a Comissão Avaliadora:

Quais foram os critérios utilizados na avaliação dos finalistas?
“Na etapa dos finalistas, o foco da avaliação foram os protótipos: o que as equipes desenvolveram ao longo do projeto? Como a proposta foi aprimorada com a contribuição da mentoria? Qual é a aplicabilidade, a criatividade e a inovação para o desenvolvimento do protótipo?
Também observamos o diálogo com a abordagem STEM e as habilidades dos estudantes que foram mobilizadas durante o percurso, assim como a capacidade de comunicar de forma sintética as ideias, os objetivos e resultados dos projetos.”

O que se destacou nos três vencedores nacionais?
Entre os selecionados, destaca-se a aplicação da proposta no contexto em que foi desenvolvida. Além disso, todos estavam alinhados à abordagem STEM, trazendo os conhecimentos das Ciências da Natureza, da Matemática, Engenharia e Tecnologia. Uma marca de todas as equipes foi protagonismo dos estudantes no desenvolvimento dos projetos, considerando que isso se deu em condição de pandemia.
As 10 equipes finalistas tinham as características de protagonismo, capacidade de comunicação e síntese do processo. Alguns com mais aplicabilidade do que outros, mas todas as ideias trazem a criatividade e a inovação na solução do problema investigado na realidade em que ele se insere”, revela Mariana. 

Quem foram os integrantes da Comissão Avaliadora? 
Anna Helena Altenfelder, presidente do Conselho de Administração e Diretora Executiva Interina do CENPEC Educação.
Izabel Lima Pessoa, diretora de Políticas e Diretrizes da Educação Básica do Ministério da Educação (MEC).
Eduardo Azevedo, CEO da Explorum Educacional.
Eduardo Conejo, gerente Sênior de Inovação na área de Pesquisa e Desenvolvimento da Samsung.
Mariana Lorenzin, professora e coordenadora de Ciências, STEM e STEAM no Colégio Bandeirantes, em São Paulo (SP).
Irene Karaguilla Ficheman 
Pesquisadora do Centro Interdisciplinar de Tecnologias Interativas da Universidade de São Paulo (USP) e gerente de projetos do Laboratório de Sistemas Integráveis Tecnológico (LSITEC).
Thais Speranza Righetto, coordenadora de projetos do Conselho Nacional de Secretários de Educação (Consed).

 Investigação científica em tempos de pandemia
Todas as equipes participantes desta edição mostraram garra, dedicação, criatividade e flexibilidade diante dos desafios impostos pelo distanciamento social. O uso das tecnologias digitais e das redes sociais, a colaboração entre as equipes e a articulação com outros sujeitos do território foram recursos explorados para contornar a impossibilidade de reuniões e visitas presenciais.

O cenário da pandemia também trouxe cara nova ao Prêmio Respostas para o Amanhã. Pensado para o formato híbrido, com ações remotas e encontros presenciais, foi necessário reformular ações e ajustar prazos a fim de possibilitar a participação do maior número de estudantes e professores nesta iniciativa. Dessa forma, a edição envolveu projetos, escolas, estudantes e professores de norte a sul do país, como mostram os números a seguir:


 A Ciência transformando realidades

Mais do que uma premiação, o Respostas para o Amanhã propõe um percurso formativo de investigação científica e resolução de problemas reais com base na abordagem STEM. Entendendo que, para se chegar a uma boa ideia é necessário tempo e reflexão, assim como estudo e pesquisa, o programa desenvolve materiais sobre aprendizagem por projetos, metodologias ativas, abordagem STEM, Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), entre outros temas afins. Conheça alguns desses materiais.

Dessa forma, o Prêmio busca incentivar cada vez mais a investigação científica nas escolas públicas mostrando aos jovens que as carreiras científicas são um entre os diversos projetos profissionais possíveis.

Nas palavras de um dos estudantes que integram a equipe vencedora nacional escolhida como o primeiro lugar nesta edição:

"A iniciação científica é o que dá, literalmente, a possibilidade de evoluir tecnologicamente. Essa tela foi criada por uma pessoa como a gente, que desde o início teve essa vontade. Provavelmente teve incentivo, o que muita gente no Brasil não tem. Por isso é muito massa o apoio que a Samsung dá, com a metodologia STEM, com a assessoria do CENPEC, para as pessoas que têm vontade de mudar sua realidade. Não só observar a mudança, mas participar dela."


Inovações da 7a edição

Um diferencial do Prêmio em 2020 foi a mentoria aos projetos semifinalistas e finalistas, durante os meses de setembro e outubro, respectivamente. A ideia foi oferecer apoio técnico para o desenvolvimento dos projetos e protótipos. Em ambiente on-line, especialistas em ensino de Ciências, Matemática e Tecnologia se reuniram com as equipes, alimentando debates e reflexões, indicando materiais de estudo, ferramentas úteis para o desenvolvimento dos protótipos e respondendo a dúvidas dos estudantes e professores. As equipes também receberam a assessoria do especialista em inovação e empreendedorismo Raul Vieira, que ensinou aos estudantes técnicas de Pitch (apresentação breve e direta  de um produto ou um negócio, comum no universo das startups).

Outra novidade desta edição foi a I Mostra Respostas para o Amanhã, em que as equipes finalistas apresentaram seus projetos aos integrantes da Comissão Avaliadora. A Mostra aconteceu no dia 18/11, às 11h, em ambiente virtual. Com base nessas apresentações e na análise criteriosa dos projetos, os especialistas selecionaram as três equipes vencedoras nacionais. (Foto abaixo: apresentação do projeto Vespertílio 01 na I Mostra RPA, novembro de 2020.)

Durante a abertura da Mostra, Isabel Costa (Samsung) celebrou o trabalho das equipes:

"Foi uma jornada incrível em um ano atípico, em que todos nós nos deparamos com tantas incertezas e dificuldades. Mas a presença da ciência nos mostra o valor e a importância de desenvolver o pensamento crítico, criativo em busca de soluções a problemas que estão no mundo. Nós nos enchemos de orgulho ao ver a qualidade dos projetos, o engajamento dos estudantes e professores ao longo desse processo. Todos os que chegaram até aqui, que se dedicaram a desenvolver um projeto criativo, fundamentado e viável. Esses são critérios importantes na seleção.”

Em seguida, a Gerente de Cidadania Corporativa da Samsung Brasil fez uma breve retomada da trajetória do Prêmio neste ano:

“Tivemos uma jornada bastante diferente. No início do ano, quando abrimos as inscrições, ainda não tínhamos a situação de pandemia. Mas nos adaptamos ao formato totalmente on-line e, mais do que isso, acreditamos na importância de seguir e de manter este espaço de estímulo a projetos e estudantes, criando também a oportunidade de superar os desafios. Neste momento, podemos olhar o caminho percorrido e perceber os ganhos e as aprendizagens desse processo."

E quais serão as novidades para 2021?

No próximo ano, o programa dará continuidade às mentorias, que foram um grande sucesso em 2020 e colaboraram muito no desenvolvimento das equipes e dos protótipos, anunciou a Gerente de Cidadania Corporativa da Samsung Brasil. "Cada vez mais o Programa irá olhar para as demandas e necessidades dos professores, pensando como é possível disponibilizar mais conteúdos. Porque o Prêmio Respostas para o Amanhã tem um caráter formativo. Não se trata apenas de reconhecer projetos interessantes, mas ser um espaço de transformação a partir da experiência prática educacional", afirmou Isabel durante a cerimônia de premiação.

Nesse sentido, a Presidente do Conselho do CENPEC Educação complementou: 

"Outras novidades serão pensadas com base na análise das experiências vividas este ano. Quando pensamos em aperfeiçoamento ou inovação do Prêmio, sempre procuramos observar o que os participantes - estudantes e professores - nos disseram durante a edição. Assim, no diálogo com as opiniões, os questionamentos, as dúvidas e os elogios que nós pensamos essas inovações.
Também é importante estabelecer uma relação com o contexto educacional. No Brasil, nós teremos o grande desafio da implementação da Base Nacional Comum Curricular do Ensino Médio. Certamente o Prêmio tem contribuições para o novo currículo, já que metodologias ativas, trabalho com projetos, protagonismo estudantil, projetos de vida, formação cidadã - componentes do Novo Ensino Médio - são elementos que o Respostas para o Amanhã desenvolve há anos."

Por fim, dirigindo-se aos professores e estudantes do ensino médio das escolas públicas, Isabel Costa convidou:
“Inscrevam-se no site, baixem o app do Prêmio para acompanhar o calendário de inscrições. Mais do que isso, vocês podem conhecer os materiais disponibilizados para começar a pensar em projetos para trabalhar com os estudantes em 2021.”

TAGS: Prêmio Ciências da Natureza Metodologia de Projetos Prática Pedagógica

Comentários

Comentários