Início dos atalhos. Fim dos atalhos.
Início do topo.
Fim do topo.
 
Conhecimento científico dos povos africanos em sala de aula

Conhecimento científico dos povos africanos em sala de aula

Fernanda de Andrade Santos
23/05/2018
Compartilhar:

Em 2018, completam-se 15 anos da publicação da Lei 10.639/03, que determina que a obrigatoriedade do ensino da história e cultura afro-brasileira e africana em todas as escolas públicas e particulares do Brasil, do Ensino Fundamental até o Ensino Médio. Contudo, estudos  realizados revelam que as escolas de todo o país ainda estão muito distantes de cumprir a legislação, em virtude de uma série de questões mapeadas que vão da falta de políticas de formação continuada e de repertório para abordar novos referenciais teóricos que sejam representativos da diversidade étnico-racial; além de casos de resistência do próprio corpo escolar em virtude de desconhecimento ou de práticas de racismo institucional.

Com o objetivo de compreender como a mudança no currículo escolar pode impactar não apenas nas práticas de racismo no ambiente escolar, mas também na valorização de novas perspectivas sobre o conhecimento, mais especificamente nas áreas das Ciências, o artigo “Conhecimento científico e tecnológico dos povos africanos: estratégia de resistência à tradição seletiva no ensino de ciências” analisa a proposta curricular da rede pública de ensino do estado de São Paulo para o 7º ano na disciplina de Ciências.

O artigo elaborado em coautoria por Marlene Oliveira de Brito e Vitor Machado, da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho – Unesp, e lançado no volume 7 da Revista Cadernos CENPEC, faz uma análise da proposta curricular, dos documentos orientadores da política, mas também dos materiais didáticos adotados pela rede e utilizados pelos professores em sala aula.

Os resultados apontam para a necessidade de conferir maior clareza aos documentos oficiais, induzindo as escolas ao trabalho com a temática, mas também de ampliar a compreensão sobre as contribuições  dos povos afro-brasileiros, africanos e indígenas para a construção das diferentes áreas do conhecimento, de modo que estas se vejam representadas no currículo e garantidas no trabalho com os alunos em sala de aula e para além dela.

Para ler o artigo na íntegra, clique aqui e acesse o volume 7 da Revista Cadernos Cenpec em http://bit.ly/2IFky04

Vencedor Nacional da 4ª Edição aborda contribuição científica indígena

Na última edição do Prêmio Respostas para o Amanhã, o projeto “Plantas Medicinais do Povo Paiter: Resgatando o Conhecimento Tradicional” foi um dos vencedores nacionais. Desenvolvido por alunos do 2º ano da EIEEFM Sertanista José do Carmos de Santana, no município de Cacoal - Roraima, o projeto teve como foco a pesquisa sobre os usos e conhecimentos construídos pelo Povo Paiter sobre as plantas medicinais.

Por meio da realização de entrevistas, mapeamentos e coleta de amostras, catalogação, plantio de mudas, o grupo de estudantes criou um viveiro de plantas medicinais. O desenvolvimento destas diferentes estratégias de pesquisa e construção do conhecimento pelo projeto que contou com a coordenação do professor indígena Alexandre Surui, procurou disseminar suas descobertas junto à comunidade escolar. Confira o vídeo do projeto aqui.

TAGS: Formação Ciências da Natureza Prática Pedagógica Conhecimento Científico

Comentários

Comentários